Autoria: Eduardo Ferreira

Descrição da obra: Avaliação emocional

Expressão: Literatura

Classificação Indicativa: 10 anos

ESPERANÇA

 

Até que eu consigo administrar a dor
O que estraga é esta maldita esperança
que a acompanha…

A tristeza não me afeta tanto assim
O que corrói mesmo é esta esperança
infiltrada cá dentro…

Suporto a perspectiva de não haver final feliz
Insuportável, como fera, a devorar por dentro,
é uma esperança…

Manso, me conformo ante a sentença cruel
Tortura está no aceno, ao longe, da esperança
de uma absolvição…

Remota, vaga, escassa, tênue…
Assim é a esperança.
Mas como lateja a grandíssima filha da puta!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *