Cloroquina e Hidroxicloroquina

A cloroquina e a hidroxicloroquina são medicamentos utilizados principalmente para o tratamento de malária, mas seu uso também é autorizado em artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico [1].

Recentemente, esses medicamentos têm sido pesquisados para o tratamento de Síndrome respiratória aguda causada pela COVID-19, pois possuem características antivirais e anti-inflamatórias [2]. Porém, a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina nesse tratamento não foram comprovadas ainda, nem como tratamento da COVID-19, nem como ação preventiva contra a contaminação.

Esses medicamentos possuem diversos efeitos colaterais e adversos, além de poderem interagir com classes comuns de remédios.

Efeitos colaterais e adversos [2]:

  • Prurido;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Dor abdominal;
  • Cefaleia;
  • Anorexia;
  • Mal-estar;
  • Turvação da visão;
  • Urticária;
  • Hipotensão;
  • Vasodilatação;
  • Supressão da função miocárdica;
  • Arritmias cardíacas;
  • Eventual parada cardíaca;
  • Confusão;
  • Convulsões;
  • Coma;
  • Hemólise nas pessoas com deficiência de glicose-6-difosfato-desidrogenase (G6PD);
  • Comprometimento auditivo;
  • Agranulocitose;
  • Dermatite esfoliativa;
  • Alopecia;
  • Embranquecimento dos cabelos.

Interação medicamentosa:

Cloroquina

  • Ampicilina [3];
  • Antiácidos [3];
  • Cimetidina [3];
  • Ciclosporina [3];
  • Mefloquina [3].

Hidroxicloroquina:

  • Digoxina [4];
  • Insulina ou medicamentos antidiabéticos [4];
  • Drogas que aumentam o intervalo QT e outros remédios que podem gerar arritmias [4];
  • Mefloquina [4];
  • Antiepilépticos [4];
  • Metotrexato [4];
  • Ciclosporina [4].

Levando em conta os riscos do uso indevido da cloroquina e da hidroxicloroquina, seu uso deve ser feito exclusivamente sob prescrição médica, que deve ter suas condutas baseadas em evidências científicas.

 

Referências Bibliográficas:

[1] KATZUNG, Bertram G.; TREVOR, Anthony J. Farmacologia Básica e Clínica. 13. ed. Porto Alegre: AMGH, 2017.

[2] BRUNTON, Laurence L.; CHABNER, Bruce A.; KNOLLMANN, Björn C. (org.). As Bases Farmacológicas da Terapêutica de Goodman & Gilman. 12. ed. Porto Alegre: AMGH, 2012.

[3] DAILYMED. [S. l.], 3 jan. 2020. Disponível em: https://dailymed.nlm.nih.gov/dailymed/drugInfo.cfm?setid=34496b43-05a2-45fb-a769-52b12e099341. Acesso em: 22 maio 2020.

[4] DAILYMED. [S. l.], 8 out. 2018. Disponível em: https://dailymed.nlm.nih.gov/dailymed/drugInfo.cfm?setid=ee944d28-f596-4163-a502-e779c0d622bc. Acesso em: 22 abr. 2020.

 

Autores
Lucas Cleto de Oliveira
Guilherme dos Santos Silva

Revisor do Texto
José Nelson Martins Diniz

 

Créditos da Imagem: jes2ufoto no Freepik

Veja também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *