O Comitê de Controle e Cuidados relacionados ao Novo Coronavírus/UFSCar (CCNC) atualizou suas diretrizes e orientações no sentido de descentralizar a gestão da aplicação do Plano de Contingências divulgado por este Comitê em 17/03/2020.

O documento, aprovado na reunião de 06 de julho de 2020, está dividido em duas partes:

  • PARTE I: Recomendações gerais para a realização de atividades essenciais na UFSCar no momento anterior à
    queda sustentada da curva epidêmica da COVID-19;
  • PARTE II: Orientações para o retorno das atividades na UFSCar a partir da queda sustentada da curva
    epidêmica da COVID-19

CONSULTE O COMPLEMENTO AO PLANO DE CONTINGÊNCIAS NA ÍNTEGRA.

 

Créditos da Imagem:

Veja também:

One thought on “Complemento ao Plano de Contingências do Comitê para o Controle e Cuidados relacionados ao Novo Coronavírus/UFSCar

  1. ROBERVAL LEOCADIO says:

    Não sou medico e sim engenheiro e faço muitas pesquisas sobre o assunto do Covid 19 e principalmente do uso da IVERMECTINA na principalmente na prevenção e tratamento usando este fármaco. Um dos problemas da ivermectina no aspecto prevenção, visto que uma vacina somente em meados do ano que vem e agora uma noticia bombástica sobre que pessoas imunizadas os anti corpos diminui com o tempo e que em 3 meses estes acabam. São verificações observacionais, mas não devemos esquecer o que aconteceu de observação que é muito importante sob este aspecto no caso da varíola, quando pessoas que tiravam leite não eram tinham a doença. Não vamos esquecer do Dr. Fleming que num acidente verificou que uma das amostras abandonadas estas caiu e esporos de bolor tiveram contatos com bactérias que estavam nesta e estavam agindo. Não vamos esquecer de que num hospital da Europa em que o medico Ignaz Semmelweis notou o porque que o numero de parturientes tinham um numero menor de falecimentos quando eram cuidadas pelas freiras/parteiras, bem diferente do outras como médicos/enfermeiros/estudantes, pois um medico notou que as freiras lavavam as mãos quando passavam de uma paciente para outra. Obrigou a todos este procedimento e foi uma chiadeira geral, mas na firmeza deste e ainda este notou que algo vinha pelo ar e qual a surpresa que o ar que vinha via dutos e estes dutos tinham como entrada de ar numa sala onde ficavam os falecidos e a taxa diminui sensivelmente e sofreu muito e depois de tempos considerado como SALVADOR DAS MÃES, todavia morreu preso em asilo de doentes mentais sem saber da importância do seu trabalho. No aspecto de prevenção vários países como Bolívia em algumas cidades e uma dela cidade de Trinidad, Porto Príncipe e agora no Brasil em Porto Feliz e em Itajaí esta sendo distribuída maciçamente para a população, diferentemente em Porto Feliz que distribui para os que tiveram contatante com os infectados. Vamos a um questão que de fato intriga-me é o caso da meia vida da medicação. Li deste que esta MEIA VIDA em vários artigos vão deste 20/57 hs este ultimo em seus estudo. A dose preconizada em Itajaí seria de ivermectina 6 mg/30 kg peso e repetindo durante 3 dias a proporção e repetindo a dose apos 15 dias. Pergunto nestes ritual teríamos neste período de fato alguma proteção?. Ou qual seria a dose minima para se ter alguma proteção no final sequencial da meia vida? . Li outro dia que Israel também começou a estudar este fármaco. Não podemos esperar a vacina e como diria Albert Einstein ” NÃO SEI QUAIS AS ARMAS QUE VÃO SER USADAS NA 3ª GUERRA MUNDIAL , MAS NA 4ª GUERRA COM CERTEZA PAUS E PEDRAS” , Não podemos esperar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *