Autoria: Eliane Tróia

Descrição da obra: O poema fala sobre o desespero que toma conta durante o isolamento social. Sobre a vontade de fugir, sabe-se lá para onde, visto que o mundo todo sofre do mesmo mal. Talvez, uma boa saída fosse uma corda Tereza. Ao final, vence a crença em um novo/velho tempo.

Expressão: Literatura

 

 

Da vidraça

Onde nasceu Tereza?
Dos novos nós, ou do novo vírus?
Do alto do 11º andar, ou da ânsia de se livrar?
Foge.
Desce um gole de
Cachaça.


Usa Tereza.
Dobra Tereza.
Amarra Tereza.
Borda Tereza de linho.
Coloca motivo de flor miúda.
Desembaraça.


Fura Tereza.
Rasga Tereza.
Corta Tereza.
Com Tereza faz ninho.
Costura com orquídea graúda.
Esgarça.


Reza Tereza.
Molha Tereza.
Cura Tereza.
Sepulta Tereza com cânticos e vinho.
Tereza, 
A ti a mulher saúda.


Novo tempo se firma
E da vidraça
A mulher te dispensa.
Sem cachaça, sem mordaça.
Sem vírus, com graça.
Oxalá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *