Com a transmissão comunitária do COVID-19, recomendações de medidas de prevenção nos diversos setores econômicos têm sido propostas. No setor da saúde, clínicas, consultórios, ambulatórios (públicos ou privados) também devem seguir recomendações específicas para atendimento aos pacientes e evitar a transmissão do Novo Coronavírus.

Para pacientes que possuírem indicação, o recomendado é o atendimento não presencial, também conhecido como remoto. Os atendimentos não presenciais foram regulamentados em caráter excepcional em decorrência da pandemia. Mais informações podem ser acessadas no InformaSUS.

O atendimento remoto favorece a prática do distanciamento social rigoroso, que, de maneira combinada ao uso de máscaras, à higienização das mãos frequentemente e à etiqueta respiratória, continuam sendo medidas prioritárias e mais efetivas para prevenir a transmissão do SARs-Cov-2. 

De acordo com Nota Técnica da ANVISA, o período médio de incubação do COVID-19 (tempo entre a exposição ao vírus e o início dos sintomas) é de 5 a 6 dias, no entanto, pode ser de 0 até 14 dias. É importante destacar que, durante o período “pré-sintomático” (antes do início dos sintomas físicos), algumas pessoas infectadas podem transmitir o vírus, apesar de não apresentarem sinais ou sintomas aparentes da doença. Neste sentido, nos casos em que o atendimento remoto for indicado, o mesmo deve ser praticado para evitar a transmissão entre pacientes e profissionais.

Quando o atendimento em saúde presencial se torna indispensável, a situação deve ser previamente problematizada e analisada pelos gestores e profissionais que atuam no serviço de saúde de forma a prevenir propagação da COVID-19, quanto a:

  • Operacionalização do fluxo de pessoas, de modo a reduzir o tempo de permanência das pessoas no ambiente e aglomerações;
  • Isolamento de pacientes com suspeita ou diagnóstico de COVID-19;
  • Garantia do distanciamento mínimo de um metro entre os pacientes;
  • Fornecimento de itens de proteção, como máscaras e protetores de calçados;
  • Garantia de estrutura para higienização das mãos, com disponibilização de material e equipamentos como pia, água corrente, sabonete líquido, papel toalha e álcool 70% em gel;
  • Instalação de barreiras físicas como placas acetato, poliestireno ou material equivalente;
  • Orientações aos pacientes e acompanhantes;
  • Capacitação dos profissionais;
  • Atualização sobre recomendações para estabelecimentos de saúde;
  • Suprir realização higienização e ventilação dos ambientes adequada;
  • Maneiras de disponibilizar informação e sinalização de alerta sobre o risco de contaminação,
  • Uso consciente de barreiras (máscara de uso não profissional, avental, luvas, propé, gorro) e de equipamentos de proteção individual certificados (respiradores).

Em consonância com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde (MS) do Brasil, pessoas, incluindo os profissionais de saúde, que tiveram contato próximo ou frequente com pacientes testados positivo para COVID-19, devem permanecer em isolamento domiciliar por 14 dias.  

Assim, é importante que profissionais de saúde se auto avaliem quanto à presença de febre, tosse, falta de ar ou outros sintomas, mesmo que não específicos (dor de cabeça, diarreia entre outros), pois podem ser sugestivos de COVID-19. É fundamental realizar o exame do RT-PCR para detecção da COVID-19, considerado padrão ouro para detecção de partículas do SARS-CoV-2 a ser realizado entre o 3° e 7° dia a partir dos sintomas.

 

Design por Ana Paula de Lima

 

Para apoiar os diversos estabelecimentos, compartilhamos a seguir, experiências implementadas para conter a contaminação e que estão em consonância com recomendações da OMS e MS: 

Dentre as orientações aos pacientes antes da chegada no consultório:

  • Não levar acompanhantes, exceto se estritamente necessário;
  • No caso de menores de 18 anos, pessoas com deficiência e idosos, admite-se apenas um acompanhante na consulta;
  • Todos deverão já chegar ao consultório de máscara (máscara ajustada e cobrindo nariz e boca) e permanecer com ela durante a consulta (não colocar as mãos na máscara). Se precisar tirar a máscara, na consulta, troque por outra limpa, assim que puder vesti-la novamente. Neste sentido, é importante que tenha máscaras de reserva para poder trocá-la, por este motivo, ou outros como sujidade e/ou umidade.
  • As pessoas com sintomas de coriza, febre, dor de garganta, tosse, sinusite e/ou falta de ar; ou que retornaram de viagem ao exterior nos últimos 7 dias; ou que tiveram contato com indivíduos testados positivo para COVID-19 nos últimos 7 dias; ou que testaram positivo para COVID-19 nos últimos 7 dias, independente se apresentou sintomas ou não, deverão remarcar a consulta após 14 dias e permanecer no isolamento em casa.
  • Praticar etiqueta respiratória.

Orientações aos pacientes ao entrarem no consultório:

  • Lavar as mãos com água e sabão por 20 segundos e/ou higienizá-las com álcool gel 70% antes e após o final da consulta;
  • Colocar os protetores descartáveis para os sapatos ou higienizar os calçados;

Organização do fluxo:

  • Ao chegar para a consulta, o paciente pode se comunicar via mensagem de celular (Whatsapp, por exemplo) ou ligação telefônica para saber se é possível entrar imediatamente no consultório, evitando aglomeração na recepção;
  • Será agendada apenas uma consulta presencial por período, a fim de possibilitar a higienização efetiva de toda sala e mobiliário entre as consultas;

Organização do ambiente:

  • Manter janelas abertas;
  • Organizar cadeiras de forma a respeitar a distância mínima de 1m entre os pacientes;
  • Evitar o uso de ar-condicionado.

Orientações aos profissionais e Gestores dos estabelecimentos:

  • Buscar informações nos respectivos Conselhos de Classe, pois poderão auxiliar em medidas mais específicas quanto ao atendimento remoto e medidas de prevenção;
  • Atualizar-se constantemente quanto às medidas preventivas nos estabelecimentos de saúde em sites como: Secretaria de Saúde Estadual e Municipal, ANVISA, Ministério da Saúde.

 

Design por Ana Paula de Lima

 

Autoria
Vera Regina Lorenz

Revisores:
Cristiane Shinohara Moriguchi de Castro
Eduardo Pinto e Silva
Fernanda Maria de Miranda
Juliano Ferreira Arcuri
Priscilla Viégas
Rafaela Veiga Oliveira
Vivian Aline Mininel

 

Créditos da imagem: Eyeeyeview no Rawpixel

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *