Autoria: Valquécia Costa.

Descrição da obra: Eu vivi essa realidade por 12 anos e hoje não vivo mais, vivo em um relacionamento saudável e posso respirar e escre-VER, mas muitas mulheres não estão na mesma situação. Escrevo poesias sobre o tema e converso com várias mulheres tentando passar esperança, paz, e tentando auxiliar da melhor maneira possível, pois além de ter vivenciado isso, sou graduada em Serviço Social e estudo especialização em Violência Doméstica. A escrita é uma forma de cuidar de mim e delas. Acalentar corações e dizer que é possível sair dessa realidade, respeitando o tempo e as escolhas de cada mulher, estendendo as mãos e sem julgamentos.

Expressão: Literatura.

 

Escre-VER

São mais de 100 mil corpos enterrados
Por um vírus que nos ataca
Distanciamento social é aconselhado
Para muitas mulheres significa
Mais tempo com o agressor ao lado

São duas pandemias ao mesmo tempo
É triste ver tudo isso ocorrendo
Cruzar as mãos com esse contratempo?
Escre-VER foi a minha luz no isolamento
Recebendo tantos relatos de agressividade
Escre-VER foi luz para espalhar felicidade
Mesmo à distância de todas essas mulheres
Posso falar através da poesia com todas as cidades

Escre-VER é enxergar além do recinto que rimo
Escre-VER é luta diária junto com o que sinto
Escre-VER é contribuir no combate à violência
Escre-VER em tempos de quarentena é resiliência
Escre-VER é contribuir com a coragem e perseverança
Escre-VER é alcançar mulheres que choram sem esperança

Escrever é o que acalma
Cobrir-se de poesias
Desnudar a alma
Colocar a dor para fora

Que a garganta sufoca
E o coração não suporta
Escre-VER é descansar a aorta

Essa dor no momento não é minha
No momento não faz parte da minha rotina
É de tantas Paulas, Anas e Marias
Indiretamente me toca e me ataca
Pois sou Mulher, mãe e poeta
E não consigo com isso dar risadas
Escre-VER para trazer um pouco de paz
Escre-VER incentivos para renovar o gás
É enxergar para além da minha porta
Escre-VER é enxergar a luz
No fim de cada poesia que reluz
E de cada coração que toca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *