Autoria: Jaráswasya

Vínculo acadêmico: Estudante de graduação em Ciência Biológicas – Campus São Carlos

Descrição da obra: A obra possui uma flor de lótus no centro representando todas as mulheres e o quanto precisamos agir como essa flor, de forma a ressurgir sempre que formos criticadas e quando nossa autoestima estiver baixa por não atingirmos os padrões estabelecidos pela sociedade. A raiz representa a nossa ancestralidade e o quanto elas já sofreram por serem elas mesmas. Ao redor da flor de lótus, as camadas das pétalas representam a sociedade sufocando com a ideia de perfeição, porém, as pétalas em vermelho representam o útero que, apesar da sociedade nos sufocar, as mulheres precisam constantemente relembrar quem realmente são para não deixar com que a sociedade nos molde e nos façam esquecer quem realmente somos. Após essas camadas, temos, em amarelo, o que representa a clareza, que precisamos sempre estar em busca dela, e da nossa verdade independente do que a sociedade nos força a ver, apesar das dificuldades que enfrentamos todos os dias. A camada roxa e rosa envolvendo praticamente toda mandala representa a nossa intuição que deve estar viva, apesar da sociedade querer apagá-la aos poucos através dos moldes e padrões que desejam que nos leve a perfeição doente. Por último, estão as folhas representando as divindades como algo necessário na vida de todos, auxiliando não só as mulheres como toda a sociedade a aceitarmos o nosso eu humano, com todas as imperfeições e entender que estamos todos juntos aprendendo a sermos seres melhores, sem exigir a perfeição humana, já que ela não existe.

Temática(s): Feminismo e questões de gênero; Diversidade religiosa, espiritualidade, expansão da consciência; Perfeição e aceitação

Expressão: Artes visuais

 

Incúbina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *