Autoria: Mari Ventura.

Descrição da obra: Na poesia intimidade convido mulheres a se recolherem, se escutarem e tirarem um tempinho para si. Por meio das palavras espero que as leitoras se sintam acolhidas e que enxerguem o quão importante é cuidar de si.

Expressão: Literatura.

 

INTIMIDADE

 

Peço licença para poder entrar na sua vida e amar-te
Não me conhece, mas eu quero o teu coração acalmar e tua alma exaltar
A todas as irmãs, quero saudar
Não trago conselhos, trago carinho,
Peço com carinho e que pare para me escutar
Recolha-se
Afaste-se
Mas não esvazie-se
Faça uma viagem para dentro de si.
Olhar vibrante, pensamento distante,
Uma perfeita e necessária ilusão
Uma mágica e obsoleta imperfeição
Rumores, amores, dores…
Oi? O que estais a dizer ?
Cansada ou ferida?
Não és ouvida?
Já que não podemos tocar umas nas outras, podemos ecoar amor por gestos escritos.
Aqui vai o meu amor por todas que se sentem perdidas.
Mulher, se acolha.
Abrace o sentimento
Abrace suas causas com amor
Abrace suas dores
Abrace os medos
Abrace a fé
Abrace a espiritualidade
Abrace o som
Abrace a arte
Envolva-se com aquilo que te trás paz
Cerque-se de luz
Disponha-se ao não materializado
As palavras, ao afeto falado, ouvido.
Deixe ser tocado pelo que invisível.
Tente não provar a existência de tudo, apenas sinta.
Permita-se.
Não tens quem te ouça? Sejas afago para si.
Quando se sentir deprimida, sejas um consolo para si.
Está muito difícil, seguir? Vejas quão sábio é, escutar-se.
As que não sabem ler, eu vos peço
Se aqui estais, leia para alguém
De preferência que estejas próxima de ti.
Saibam que devemos ser afeto coletivo, enquanto alguém ainda não poder existir da forma que escolheu, não seremos plenamente felizes.
Mas estamos aqui para vos dizer
Venham todas, não deixem que falem por vocês.
Mesmo que não saiam palavras bonitas, ou que não queiram dizer, tens tempo.
Não devemos saber de tudo, não precisamos saber de tudo, nem ter medo de não saber.
Por o existir é e sempre será
Uma mera ilusão de saber
Incansável luta de ser
Saberia proceder? Escolher?
Carece mesmo entender?
É retórico.
Tão raros são, os que sabem ouvir-se.
Mas não deixem de tentar, não passem a vida inteira sem se escutar e se amar.
Mesmo sem poder vos abraçar e acolher aquelas que estão a precisar, insisto em dizer.
Não precisamos de cavalos e príncipes para nos salvar, somos completas e devemos querer amar por si mesmas e não pelo que estão a questionar.
Mulher, abrace a si.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *