No último dia 18 de agosto de 2020, foi realizado o evento “Mostra virtual de experiências no enfrentamento à Covid-19: Organização do trabalho colaborativo em saúde mental do DRSIII Araraquara”, uma parceria entre o Departamento de Terapia Ocupacional da UFSCar e o Departamento Regional de Saúde de Araraquara (DRSIII) na região central do estado de São Paulo. Docentes, estudantes, profissionais e gestores estiveram envolvidos na comissão organizadora do encontro e também como participantes do evento.

Esta atividade é fruto do projeto de extensão “A Rede que se articula, sustenta cuidado em saúde mental: CAPS e NASF no desafio do compartilhar”. Esta ação da Educação Permanente em Saúde (EPS) se manteve mesmo durante a pandemia, mas de forma remota, com encontros virtuais e comunicações via redes sociais. Em um dos encontros, tivemos a compreensão de que realizar a mostra de experiências poderia ser um espaço para debate entre equipes e para valorização das ações que estavam sendo sustentadas, mesmo criadas pelos trabalhadores neste momento crítico de combate à Covid-19.

O objetivo do projeto de EPS é estimular o trabalho colaborativo entre equipes multiprofissionais na Atenção Básica em Saúde e equipes dos serviços da Atenção Psicossocial nos municípios do DRS em questão. Inicialmente, planejamos encontros entre equipes NASF e CAPS, entendendo a importância desses equipamentos para fortalecimento da RAPS nos diferentes territórios e a real possibilidade de articulação local do cuidado com a saúde mental. Sabemos que, na região, nem todos os municípios possuem tais serviços, apesar de haver equipes multiprofissionais em outros diferentes arranjos nestes cenários de atenção (ambulatórios de especialidades, equipes mínimas na ABS, dentre outros).

Dessa forma, seguimos apoiando este trabalho desde abril de 2020 de forma remota. Tivemos boa adesão das trabalhadoras e dos trabalhadores nos encontros virtuais propostos e hoje já temos mais de 125 pessoas no grupo em uma rede social criado para manter nosso vínculo, facilitar comunicação e realizar a divulgação de materiais de interesse dessas equipes.

O grupo em questão, que surgiu com uma participação tímida, hoje contém diversas publicações dos trabalhadores, compartilhando materiais de apoio às equipes, lives sobre saúde mental, cartilhas e fotos das equipes locais, entre outros. Todo esse material compartilhado revela a importância do trabalho em rede e articulado.

Nos momentos virtuais, os trabalhadores trocavam experiências práticas sobre sua organização atual no trabalho, avaliavam coletivamente as ações colocadas em prática e pediam por novos exemplos práticos para enfrentar a pandemia. Nossa equipe começou a mapear e divulgar diversos cursos online e encontros virtuais (lives) com discussões envolvendo temáticas que também apareciam nos encontros. Algumas delas foram: assistência em saúde mental em situação de desastres, organização do trabalho remoto e o papel da atenção básica durante a pandemia. Estas buscas também foram norteadas para encontrar exemplos práticos realizados pelas equipes, mas notamos que este tipo de produção estava disperso pela rede e com difícil acesso (e escasso, até aquele momento).

Por esse motivo, decidimos então compartilhar as ações criativas que já estavam sendo realizadas pelas equipes participantes do projeto, em um evento em formato de mostra. Considerando o aspecto não presencial neste momento, faríamos um evento online e no lugar dos pôsteres e do debates em salas, teríamos um canal no Youtube repleto de vídeos enviados pelas equipes.

As equipes foram convidadas a elaborar vídeos de até 5 minutos que retratassem as principais adequações realizadas no cotidiano do trabalho, assim como as principais criações neste momento – já que foi preciso inovar em alguns processos de cuidado, tendo em vista o distanciamento social. Precursor a este processo, as equipes deveriam então discutir, nos espaços instituídos de trabalho, quais aspectos mereciam tal destaque e como realizar esta apresentação. Este processo em si já se revelou como uma autoavaliação, possibilitando colocar em análise o próprio trabalho, objetivo inicial de qualquer processo de EPS.

Recebemos um total de 20 vídeos, de diferentes cenários, de 15 municípios diferentes, sendo 2 deles não pertencentes ao DRSIII Araraquara. Estes vídeos poderão ser assistidos e compartilhados a partir do nosso canal.

Dentre os diversos processos de ensino e aprendizagem vividos durante a pandemia, este é um deles: aprender a fazer EPS à distância, de forma remota, mantendo o vínculo e o significado para as equipes.

E por que é tão importante?

Temos a clareza de que trabalhos como este motivam as equipes a seguir em frente com seu trabalho e evidenciam um SUS que está vivo e forte durante a pandemia. Este é o SUS feito por muitas mãos e responsável pelo cuidado de muitos sujeitos.

Autoria: Professora Doutora Alana de Paiva Nogueira Fornereto Gozzi do Departamento de Terapia Ocupacional da UFSCar

Este evento é uma atividade de extensão aprovada institucionalmente (Processo n. 23112.012274/2020-31).

 

Organização:

Alana de Paiva Nogueira Fornereto Gozzi

Aline Silva de Moura

Ana Beatriz da Costa Franceschini

Beatriz Pugliero

Danielle Ferreira de Sousa

Larissa Campagna Martini Barbosa

Mary Cristina Lacôrte Ramos Pinto

Mônica Vilchez da Silva

Paula Giovana Furlan

Rosenéia Braz de Souza

Sabrina Helena Ferigato

Viviane da Rocha Sousa

Imagem de pasja1000 por Pixabay

Veja também: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *