Autoria: Alvaro Santi

Descrição da obra: Ao ver-se confinado em casa pela pandemia, o poeta reflete sobre a liberdade momentaneamente perdida e outros fatores que a ameaçam em qualquer tempo.

Expressão: Literatura

 

 

Preso / Livre

Preso e protegido
(por enquanto, ao menos)
nesse apartamento:
pássaro cativo,
morrendo de medo
de sair do ninho.

Preso ao seu emprego,
dentro de uma cela
ou num casamento.
Preso na miséria.

Preso a pensamentos
que nunca dão trégua;
preso (não tem jeito) 
à ilusão das telas.

Preso às consequências
de suas escolhas;
por grave delito;
a um amor antigo.
Preso à Natureza,
ao pecado, ao vício,
a um corpo finito,
a uma vida pouca.

* * *

E livre, apesar de
todos os entraves:
alma impenetrável
àqueles olhares
prontos a julgarem
o que não lhes cabe.

Espírito livre,
não enxerga o mal,
aberto aos convites
que a vida lhe faz.

Livre qual o cometa,
no espaço infinito,
zomba dos planetas,
em seus rumos fixos.
 
Livre, de repente,
qual lagarta presa
em roupão de seda,
pendente de um fio,
que, sem prévio aviso,
numa tarde quente,
vira borboleta
e ganha o vazio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *