O InformaSUS está completando 6 meses de atuação, com publicações desde mês de abril. Nesse ínterim, muitas frentes de trabalho surgiram, tendo em vista a consolidação dessa rede. Entre elas, existe uma especial — na qual trabalhamos durante todo esse tempo —, qual seja: a frente de Mapeamento e Articulação de Iniciativas de Enfrentamento às consequências da COVID-19. Mas por que pensar nessa frente? Por que atuar nisso?

O InformaSUS se consolidou como uma rede de comunicação social. Tem sido um esforço grande de discentes, docentes, técnicas/os administrativas/os e, principalmente, da UFSCar; bem como de voluntárias/os de diversas outras instituições e, até mesmo, da sociedade civil, tudo em união para fazer o projeto dar certo. Esse projeto é, então, uma ação de Extensão da Universidade em direção à Sociedade. É um esforço para colocar as tecnologias diversas desenvolvidas na Universidade à serviço do social, cumprindo um papel importantíssimo.

A partir desse pressuposto sobre a extensão, passamos a olhar um fenômeno importante que se acentuou durante a pandemia: as iniciativas solidárias para apoio de populações com algum tipo de vulnerabilidade. Esse fenômeno se estruturou em decorrência de diversas condições de nossa sociedade, tais quais: a necessidade de se instituir medidas de distanciamento social, o impedimento de trabalho presencial — que não pode ser substituído por trabalho remoto —, a dificuldade de exercer o trabalho informal — no início do ano, era o trabalho de 50% da população em 11 estados brasileiros, segundo o IBGE —, o impedimento do comércio para pequenos produtores — como feirantes, agricultores etc. —, o fim das aulas presenciais, fazendo com que aumentasse a vulnerabilidade de famílias que dependem da merenda para os filhos, entre outras condições.

O fato é que muitas iniciativas surgiram! Como rede de comunicação social, poderíamos apoiá-las com a divulgação de suas atividades. Dessa forma, isso se iniciou em 14 de abril, dia de nossa primeira publicação. A partir disso, iniciamos um processo de mapeamento sistemático semanal de iniciativas que se enquadrassem em nossos critérios de inclusão. Para que uma iniciativa fosse divulgada em nossa rede, ela deveria seguir os critérios disponíveis neste link:https://www.informasus.ufscar.br/campanhas-relacionadas-a-covid-19-apoiadas-pelo-informasus-ufscar/

Os critérios apresentados prezam pela transparência dos dados prestados. Embasados neste mapeamento, realizamos, semanalmente, uma submissão ao Grupo Editorial do InformaSUS, composto por representantes de todos os grupos temáticos que pertencem ao projeto, de forma a haver ampla concordância sobre as iniciativas apoiadas. Dessa maneira, no decorrer desses 6 meses mapeamos 55 iniciativas — 47 por busca ativa e 08 por inscrição direta ou indicação de terceiros —, que já foram divulgadas ou ainda serão. As campanhas visam, predominantemente, a arrecadação de dinheiro, alimentos ou produtos de higiene, mas também existem iniciativas voltadas à distribuição de EPIs, bem como a inclusão social e a formação. Portanto, foi possível atingir iniciativas que contemplassem diversas populações, como aquelas de apoio à população indígena, população LGBTQ+, população negra, população em situação de rua, trabalhadores rurais, costureiras/os, profissionais da saúde, entre outros. 

Em uma outra ação realizada por essa frente, promovemos um encontro virtual com as iniciativas mapeadas, no qual conseguimos proporcionar uma troca de experiência entre as ações, além de tornar possível o conhecimento de um sentimento comum: a necessidade e a dificuldade de manter as atividades após o atual contexto, visto que os reflexos desta pandemia serão notórios mesmo após seu fim, ainda mais para as populações em situação de marginalidade.

Além do mais, ao longo desse período, estivemos em contato com diversas lideranças comunitárias com o objetivo de captar demandas e divulgar a plataforma, assim como seus conteúdos. Ao total, estivemos em contato com 194 lideranças de todas as regiões do país, entre elas: jornais, rádios, TVs, coletivos e lideranças individuais de comunidades, além de 15 centros acadêmicos ou diretórios acadêmicos de universidades públicas do estado de São Paulo e 3 sindicatos da região sudeste. Já nesses contatos, percebemos que havia certa mobilização por muitas lideranças e entidades, com o intuito de apoiar suas redes de influência contra as consequências da COVID-19.

Nesses meses, portanto, pudemos nos aproximar de um dos fenômenos que apontaram para a esperança dentro da pandemia, isto é, as iniciativas solidárias descritas. Ora, elas podem significar muitas coisas. Como foi dito por um dos participantes no encontro virtual que promovemos: a necessidade de se articular para apoiar populações vulneráveis reflete problemas de longa data pelos quais as populações passam. Trata-se, também, uma oportunidade para darmos visibilidade a essas demandas pelas quais diferentes segmentos da população passam, indicando ao Estado a necessidade de agir. 

Ao mesmo tempo, as iniciativas indicam a capacidade de mobilização, de auto-organização e gestão. A capacidade de se articular por um bem comum, buscando ampliar o bem-estar compartilhado, em busca do bem-viver. Essa postura e qualidade da organização é sempre valiosa, e aponta para a capacidade de o povo intervir nos espaços de participação e controle social — que estão sendo tão atacados atualmente. Melhor dizendo, as iniciativas apontam, também, para potências da população contra os ataques a direitos.

Por fim, o saldo tende a ser positivo, no que se refere à possibilidade da experiência, às potencialidades das colaborações até aqui, e ao compartilhamento do trabalho rumo à construção conjunta de novas compreensões sobre nossa sociedade, a partir de toda produção de sofrimento advindo da pandemia de COVID-19; ainda que esse sofrimento não seja, de todo, produzido pela doença.

 

Abaixo, subscrevemos, em agradecimento, as pessoas que colaboraram diretamente em nossa equipe, cada uma com sua maneira e suas possibilidades.

Camila Félix Rossi

Sofia Selpis Castilho

Letícia Hiromi

Giovanna da Silva Ferreira

Daniel Galvão de Oliveira

Ligia Marques Vicente

Haryanna Oliveira

 

Crédito da Imagem:  Tim Mossholder em Unsplash

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *