A Dexametasona é um medicamento pertencente à classe dos glicocorticoides. Os glicocorticoides têm a sua atividade terapêutica devido a sua potência como anti-inflamatórios e imunossupressores. Várias são as doenças tratadas com os glicocorticoides: doenças de origem reumática, imunológica, cutânea, ocular, endocrinológica, pulmonar, sanguínea, gastrintestinal, neurológica e neoplásica. Apesar da ampla utilização, a dexametasona pode provocar inúmeros efeitos colaterais e adversos, e sua gravidade depende da dose que é administrada (Up to Date, 2020).

Estudos mais recentes envolvendo a Dexametasona no tratamento contra a COVID-19, nos quais inicialmente o fármaco era contraindicado, mostraram a sua eficácia na forma moderada e grave da doença. A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) recomenda o uso da dexametasona nos casos mais graves da doença, na dose de 6mg durante 10 dias (ABEM,2020).

 

Design por Ana Paula de Lima

 

Um estudo realizado pelo Recovery (Randomised Evaluation of COVID-19 Therapy) mostrou os resultados em 2104 pacientes selecionados aleatoriamente, medicados com o glicocorticoide por via oral ou intravenosa. Esses pacientes foram comparados com outros 4321 pacientes tratados convencionalmente. Os resultados mostraram redução significativa de mortes para pacientes que precisaram de respiradores/suporte de oxigênio. Com relação aos pacientes com a forma leve da doença, não houve melhora significativa dos sintomas (THE RECOVERY COLLABORATIVE GROUP, 2020).

Os glicocorticoides são potentes anti-inflamatórios e reduzem a inflamação, por vezes grave, em pacientes com a COVID-19. A utilização dos glicocorticoides também pode limitar ou prevenir a evolução da reação do organismo para a “tempestade de citocinas”, que pode induzir o aparecimento da Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Grave (SARA), com consequente hipoxemia, insuficiência respiratória, podendo levar ao óbito (YANG, et al, 2020; SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN, 2020). Por outro lado, o uso da dexametasona pode agravar o quadro de pacientes que apresentam estados leves da doença.

 

Design por Ana Paula de Lima

 

Dessa forma, conclui-se que:

  • em pacientes com a COVID-19 que não necessitavam de suporte respiratório, ou seja, quadros mais leves, NÃO foram verificados quaisquer benefícios com o uso da medicação;
  • a Dexametasona possui uma série de efeitos colaterais, que são maiores conforme a quantidade e o tempo de utilização. Seu uso sem indicação médica pode expor a inúmeros riscos desnecessários à saúde, como a hiperglicemia, retenção de sal e água, hipertensão, diminuição da absorção de cálcio, dentre outros;
  • a Dexametasona tem ação anti-inflamatória e imunossupressora (redução da atividade do sistema imune);
  • os resultados mostraram redução significativa de mortes para pacientes que precisaram de respiradores/suporte de oxigênio. Com relação aos pacientes com a forma leve da doença, não houve melhora significativa dos sintomas;
  • portanto, a medicação não tem qualquer ação na prevenção contra o coronavírus, uma vez que não age atacando o vírus, mas regulando a resposta imune e a inflamação excessivas. Além disso, seu uso no início do quadro pode apresentar riscos de piora, uma vez que a Dexametasona pode causar uma imunossupressão (diminuição da atividade do sistema imune) que favoreceria a replicação viral.

Somente uma minuciosa avaliação médica é que pode indicar o momento propício, assim como a quantidade e o tempo de uso de qualquer medicação, a fim de que os benefícios sejam superiores aos riscos, sendo a automedicação um comportamento que pode trazer prejuízos à saúde, tanto os relatados anteriormente, como inúmeros outros. Além dos danos associados à automedicação, há também os que têm como causa a interrupção de um medicamento com indicação médica por conta própria: tanto o início, quanto a suspensão, devem ser feitos seguindo a recomendação de seu médico.

 

Design por Ana Paula de Lima

 

Referências

Associação Médica Brasileira. Disponível em: Sociedade Brasileira de Infectologia. https://ammg.org.br/wpcontent/uploads/f590ba9af0faf1a1490ef0b5f945b9c136dceba586b6fa18b86852927fe72b54.pdf. Acesso em: 15 abr. 2021.

Dexamethasone (systemic): Drug Information. UptoDate. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/dexamethasone-systemic-drug-information. Acesso em: 15 abr. 2021.

GOLAN, David E. Princípios de farmacologia: a base fisiopatológica da farmacoterapia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

Low-cost Dexamethasone Reduces Death by Up to One-third in Hospitalised Patients with Severe Respiratory Complications of COVID-19. Recovery, 2020. Disponível em: https://www.recoverytrial.net/news/low-cost-dexamethasone-reduces-death-by-up-to-one-third-in-hospitalised-patients-with-severe-respiratory-complications-of-covid-19. Acesso em: 18  jun.  2020.

PINHEIRO, Pedro. Dexametasona – bula para pacientes. MD. Saúde, 2020. Disponível em: https://www.mdsaude.com/bulas/dexametasona/. Acesso em: 18 de jun. 2020.

SANTOS, Luciana dos. Medicamentos na Prática da Farmácia Clínica. 1 ed. São Paulo: Artmed, 2013.

Society of Critical Care Medicine – SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN – Covid-19 Guidelines (2020). Disponível em: https://www.sccm.org/SurvivingSepsisCampaign/Guidelines/COVID-19. Acesso em: 15 abr. 2021.

THE RECOVERY COLLABORATIVE GROUP, 2020. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2021436?source=nejmtwitter&medium=organic-social. Acesso em: 15 abr. 2021.

YANG, Z.; LIU, J.; ZHOU, Y.; ZHAO, X.; ZHAO, Q.; LIU, J. The Effect of Corticosteroid Treatment on Patients with Coronavirus Infection: a Systematic Review and Meta-analysis. Journal of Infectology, v. 81, n. 1, e13-e20, 2020.

 

FICHA TÉCNICA

Autores: Maria Clara Cavalcanti Espósito, graduanda em Medicina pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar; Uliana Pereira da Silva Lisboa, graduanda em Medicina pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Atualização do texto: Cristina Helena Bruno

Revisora: Cristina Helena Bruno, Farmacêutica-Bioquímica pela FCFar-UNESP – Doutora em Ciências (Bioquímica, Biologia Molecular e Farmacologia) pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar; professora Associada do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Revisão Linguística: Laianny Martins Silva Efel, jornalista, mestra em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás – UFG, colaboradora da comunidade externa.

Créditos da imagem: Racool Studio no Freepik

Veja Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *