Autoria: Alvaro Tallarico

Descrição da obra: um retrato do isolamento de um poeta no limiar da ansiedade. A arte como um porto seguro lúdico para a sanidade. Um clamor de proteção.

Expressão: literatura

Vãos

Em vãos pensamentos vagava pela angústia do receio

Perenemente divagava pelas escolhas de recreio

Precocemente temia pelo vindouro escuro

Mãos de escultura seriam seu muro

Um escudo pelo leste

Contra a venenosa peste

Que serpenteava livremente

Pelo labirinto do inconsciente

Encarcerado na terrinha distante, fria e úmida

Rememorava o cavalo singrando o asfalto quente

A margear a maresia que enferrujava os círculos de ferro

Da magrela ambrosia que transbordava e sempre nutria o berro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *