Autoria: Renato Passos de Barros

Descrição da obra: Pessoas enfileiradas indo ao shopping center em Santa Catarina; festas particulares em diversas cidades do Brasil, provocando aglomerações e o Presidente da República, com ações negacionistas, incentivando as pessoas a saírem nas ruas e militando contra as recomendações da OMS, em nome da retomada da “produtividade” econômica. Esses são exemplos que corroboram com a tese de que a pandemia do coronavírus REFORÇOU e, até mesmo, POTENCIALIZOU o comportamento consumista e o capitalismo estrutural (cultural) já impregnado nas atitudes de parte da população. O poema “Zumbis do consumo” é uma crítica a esse cenário caótico, denunciando a demência coletiva que já contagiou considerável parcela dos brasileiros.

Expressão: Literatura

 

Zumbis do consumo

Zumbis do consumo!… pro abatedouro…
Enfileirados, mantendo a distância,
À sobrevida pediram vacância.

Vão em busca do mapa do velho ouro.
Pra isso, enfrentam poderoso touro!
Cheios de vida!… numa outra instância.

Nesse plano, existe vírus que mata,
Mas jamais quem tá morto e vira escudo.
Pro discurso em curso, mata e remata
Líquida essência… forma e conteúdo.

E o louco grito cala a voz sensata!
Ouça o berrante! Pasmo o mundo mudo
Vê, no caos, ordem dada por bravata!
E os zumbis cegos obedecem tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *